terça-feira, 15 de outubro de 2013

Álvaro de Campos § 15/10/1890 — 30/11/1935


Arre, que tanto é muito pouco!
Arre, que tanta besta é muito pouca gente!
Arre, que o Portugal que se vê é só isto!
Deixem ver o Portugal que não deixam ver!
Deixem que se veja, que esse é que é Portugal!
Ponto.

Agora começa o Manifesto:
Arre!
Arre!
Oiçam bem:
ARRRRRE!


in Álvaro de Campos, «Poesia». Edição de Teresa Rita Lopes. Assírio & Alvim.

1 comentário:

Rui Moura disse...

A propósito de Álvaro de Campos e da minha querida amiga Teresa Rita Lopes, e se me for permitido, aqui fica o link do poema em referência musicado e cantado (parte de um CD ainda não editado). A orientação foi da própria Teresa Rita Lopes. http://www.youtube.com/watch?v=dKanDqYp6AQ&feature=c4-overview&list=UUhXQgpWN9IJXclCxw0VzUUw

Rui Moura